Independente de idade ou outros fatores, todos já sentiram alguma vez que o estômago não estava bem. Mas e quando as complicações são mais graves? Elas geralmente ocorrem por negligência de nossa parte e por não enxergarmos como obrigação cuidar da saúde estomacal como ela merece.

Precisamos assumir responsabilidade, como ter uma alimentação balanceada, estar atento a sintomas de que algo não está bem, não ignorá-los e partir para o tratamento sem demora. Faça isso principalmente quando a dor surge ao mesmo tempo que outras doenças. Dores estomacais podem ocorrer por diversas causas, a depender do nível de complexidade. 

Você sabe quais tipos de dor seu estômago pode apresentar e o que fazer? Leia a seguir as principais causas, sintomas e orientações para lidar com a doença:

Tipos de dor no estômago e o que indicam

As principais reclamações de dores no estômago são:

1.     Queimação: pode ser consequência de azia, gastrite, má digestão, intolerância alimentar, úlcera gástrica e refluxo;

  1. cólicas:  cólica renal, problemas na vesícula, desarranjo intestinal e prisão de ventre;
  2. pontada:  excesso de gases no intestino e inflamações no abdômen.

O diagnóstico correto de condições gastrointestinais costuma ser feito por meio da realização de exames, que é imprescindível para fazer a escolha adequada do tratamento. O mais conhecido é a endoscopia, em que um tubo fino é introduzido pela boca do paciente e assim pode-se visualizar, por meio de uma câmera, como está a situação do esôfago e parte do intestino delgado.

Gastrite

Existem algumas causas para o aparecimento de dor no estômago e, uma dessas dores se chama gastrite.

Essa doença gera desconforto ao paciente devido à inflamação das mucosas que recobrem o estômago. A maior responsável por isso é a bactéria helicobacter pylori, que se aloja na parede gástrica. Apesar de fazer parte da flora intestinal normal, quando há alguma anormalidade, ela desequilibra o pH do estômago, causando a gastrite e a úlcera péptica.

O que incentiva e muito o aumento dessa dor no estômago é a forma como o paciente se alimenta. Comidas gordurosas e cítricas não são nada indicadas. Também, cigarro, álcool e uso excessivo de determinados medicamentos. Como se pode notar, trata-se do que se coloca para dentro do organismo.

A boa notícia é que há o que fazer para melhorar a saúde nesse aspecto. É necessário que o paciente converse com o médico para que juntos analisem e concluam o que está fazendo mal.  O indicado, em linhas gerais, é manter uma alimentação equilibrada, evitando consumir produtos industrializados, pois contêm aditivos químicos extremamente nocivos ao organismo. Ingerir fibras também é útil.

Como tratar bem o estômago?

Para cuidar bem deste órgão, é importantíssimo comer saudavelmente, claro, mas também se dedicar em outros aspectos como, por exemplo, ter um sono de qualidade. É que, durante o sono, são reparados os tecidos e as células. Isso causa a regeneração das áreas danificadas de órgãos, inclusive do estômago e do intestino.

Ingerir ativos que ajudam na boa saúde do estômago também é uma boa dica. Um dos produtos recomendados é o MSM. Trata-se de uma fonte estável, rica e natural de enxofre orgânico, que é um componente presente em grande concentração nas articulações. Atua na manutenção da estabilidade e integridade do tecido conjuntivo e das proteínas. Muito útil em casos de artrose e artrite reumatóide.

O MSM é a forma de enxofre orgânico identificado em todos os organismos vivos. Apesar da riqueza, quando os alimentos são aquecidos ou processados, ocorre grande perda do MSM, portanto sempre há necessidade de suplementação.

O enxofre é importante para síntese de colágeno. Por conta disso, MSM é ideal para suplementação daqueles que tem unhas fracas, cabelos quebradiços e pele flácida. Ele tende a acelerar a cicatrização de ferimentos, possui ação anti-inflamatória e tem mostrado resultados promissores em estudos para o tratamento da osteoartrite.

Além disso, não custa lembrar: faça consultas com o seu gastroenterologista regularmente para diagnosticar doenças ou potenciais doenças e, assim, entrar em tratamento o quanto antes. Realize exames específicos para diagnosticar precocemente alguma disfunção do aparelho digestivo. Seguindo essas orientações, maiores são as chances de cura ou de prevenir os males desse aparelho.

Capriche na qualidade da alimentação

Alimentação saudável – com mais frutas, verduras e produtos integrais – é essencial. Quem tem gastrite – apresentando sintomas como queimação e, em alguns casos, até refluxo -, deve evitar determinados alimentos. Mesmo que alguns deles sejam considerados benéficos para a saúde, para quem sofre com esse mal não é. Saiba quais são:

Pimenta e outros condimentos fortes

A ardência deles causa lesões na parede do estômago e aumenta a sensação de queimação. 

Frutas cítricas

Elas são repletas de vitaminas e minerais, mas não fazem bem quando se tem gastrite. Laranja, abacaxi, limão, dentre outras frutas contêm substâncias que, assim como a pimenta, têm potencial de piorar a situação estomacal.

O cafezinho

Ele é rico em antioxidantes e traz benefícios à saúde, mas não para a saúde de quem tem gastrite e azia.

Leite

Não! Não é uma boa ideia tentar amenizar o incômodo no estômago com um copo de leite. Ele pode piorar a situação, inclusive dos sintomas da gastrite. É que a fórmula do leite desequilibra o PH do estômago, o que acaba por machucar as paredes dele. Acontece o que se chama de “efeito rebote”.

O que fazer com a dor no estômago?

O primeiro a fazer é analisar se essas dores podem estar ocorrendo por razões emocionais, visto que isso é bem comum. Se for, o paciente precisa pensar em quais ações estão ao seu alcance para acabar ou reduzir seu nível de estresse, ansiedade ou o que for que o estiver atrapalhando.

Desenvolver hábitos como os a seguir podem ajudar nessa tarefa:

  • Evitar alimentos que irritam seu estômago;
  • Começar uma aula de yoga;
  • Fazer meditação;
  • Ingerir mais água;
  • Mastigar a comida lentamente;
  • Manter o peso adequado;
  • Descobrir outros fatores que pioram a dor;
  • Fazer exercícios físicos várias vezes na semana;
  • Não fazer uso de álcool e cigarro.

Entendido como tratar bem seu aparelho digestivo? Agora é hora de colocar tudo isso em prática! Vamos lá?