A septoplastia é a cirurgia de correção do desvio de septo do nariz. Com o propósito de corrigir essa deformidade, a cirurgia age de modo a centralizar o septo nasal. Assim dessa forma, ela visa aliviar  os sintomas previstos. Umas das causas para a realização da cirurgia são, por exemplo: obstrução nasal frequente (nariz entupido);  infecções nos seios paranasais (sinusites), cefaléia (dor de cabeça) e para complementar o tratamento do ronco e da apnéia do sono.

 

A Septoplastia também pode estar relacionada com o aumento das conchas nasais inferiores, denominadas estruturas da parede lateral do nariz. O motivo de seu aumento pode estar relacionado à rinite alérgica por exemplo e, neste caso, é indicada a redução das conchas nasais. Tal procedimento é denominado turbinectomia.

Deve-se considerar que nem todos indivíduos com desvio de septo do nariz devem realizar procedimentos cirúrgicos. Acima de tudo o médico especialista, o otorrinolaringologista, deve analisar o grau do desvio e os sintomas apresentados pelo paciente. Dessa forma, fica a critério do médico responsável avaliar as condições e necessidades para a execução da cirurgia.

É recomendado que a cirurgia de desvio de septo nasal seja feita após os dezesseis anos. Depois desta idade, já está sendo encerrada a etapa do crescimento do septo, porém, em alguns casos, como o desvio de septo severo, pode ser indicado septoplastias conservadoras.

O que é a Rinosseptoplastia?

A Rinosseptoplastia é a associação da cirurgia de desvio de septo e a rinoplastia. Dessa forma, a cirurgia corrige anomalias e defeitos do nariz, além do desvio por conta de condições naturais.

A rinoplastia é uma cirurgia estética para a correção de nariz grande, torto ou imperfeito. O objetivo é alterar a parte externa do nariz.

A septoplastia, por si só, não corrige deformidades e imperfeições externas, apenas atua na correção do desvio, a não ser que o septo apresente um desvio na porção caudal.

É comum que pacientes associem as duas cirurgias de uma só vez. De acordo com estudos, é muito reduzida a percentagem a ser realizada a rinoplastia sem haver a necessidade de correção do septo nasal. Denominada por rinosseptoplastia, o exame coincide na interferência das principais estruturas do nariz. Com a rinosseptoplastia, é viável fazer a correção de desvios do septo nasal, em sua porção óssea e cartilaginosa.

Como é realizada a septoplastia?

A septoplastia, cirurgia de correção do desvio de septo, é realizada sob o efeito da anestesia local ou geral, dependendo da escolha feita pelo médico ou paciente. A duração aproximada é entre sessenta e noventa minutos. Geralmente, o paciente fica internado por pouco tempo e recebe alta no mesmo dia da cirurgia ou um dia após.

 

A partir de uma pequena incisão feita dentro do nariz, é deslocada a mucosa, que fica sobre uma cartilagem, e o osso do septo. Dessa forma, a parte desviada é removida da mucosa e, posteriormente, é colocada sobre o septo.

 

Durante o procedimento, pode ser também colocado um molde para reposicionar a mucosa nasal e o septo, conhecido como splint, além de tampões para evitar o sangramento.  Contudo deve ser removido entre sete e dez dias.

 

Recentemente, com os avanços da tecnologia, em alguns casos não há a necessidade de utilizar tampões nasais ao se operar por videoendoscopia.

 

Como é a recuperação da septoplastia?

A cirurgia de septoplastia é considera simples. Além disso o  tempo aproximado de recuperação é de aproximadamente uma semana, dependendo da resistência de cada paciente. Após a cirurgia, é normal ter dores e desconfortos.

 

Para que os sintomas pós-operatórios não tenham grandes complicações, é necessário manter alguns cuidados, como não praticar atividades físicas (nas primeiras três semanas) e fazer uma boa higiene nasal com água salina.

 

Apesar dos cuidados, algumas complicações podem aparecer, como:

  • Febre e dor;
  • Sangramento;
  • Infecção, abscesso e hematoma septal;
  • Perfuração septal;
  • Sinéquias;
  • Retorno do desvio ou desvio residual: em técnicas muito conservadoras, principalmente em crianças, a cartilagem poderá voltar parcialmente à posição ou forma anterior, por vezes necessitando reintervenção;
  • Retorno da hipertrofia (aumento) das conchas: em casos de rinite alérgica;
  • Complicações da anestesia geral.

 

Dessa forma, é preciso que o paciente cumpra com os cuidados exigidos pelo médico.