Perda Auditiva

A s perdas auditivas podem ter inúmeras causas, dentre elas destacam-se: a exposição à ruídos, às drogas ototóxicas, causas hereditárias, virais, bacterianas, circulatórias, mecânicas (exemplo rolha de cera, corpo estranho de ouvido), neurológicas.

Dependendo da causa, estas perdas podem ser reversíveis ou irreversíveis.

Ocorre isolada ou associada a outros sintomas como tontura, ou zumbido. Podem ser leves, moderadas, graves ou severas.

Para cada tipo de perda auditiva, existem tratamentos adequados: uso de medicamentos, remoção de cera, uso de aparelho auditivo, cirurgias, etc.

A preservação da boa audição é fundamental para a qualidade de vida, para as relações interpessoais e para a saúde do sistema neurológico.

Existem hoje em dia, vários trabalhos científicos que relacionam as perdas auditivas a doenças neurológicas, como Alzheimer e outras demências. Por isso, é de grande importância o seu tratamento precoce.

CUIDADOS PARA EVITAR PERDA AUDITIVA

Evitar as seguintes drogas ototóxicas, quando possível:
Estreptomicina | Kanamicina | Mostarda Nitrogenada | Quinino | Gentamicina | Sisomicina | Tobramicina | Amicacina | Beta-Kanamicina | Neomicina (injetável) | Salicilatos e Aspirina (doses elevadas) | Viomicina | Polimixina B (injetável) | Paramomicina | Vancomicina
Diminuir ou Abolir:
Café (cafeína) | Chás: preto, mate e verde | Cigarros | Bebidas alcoólicas | Chocolates

ORIENTAÇÕES AO PACIENTE COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

ATENÇÃO! É MUITO PERIGOSA A AUTOMEDICAÇÃO, POR ISSO PROCURE SEMPRE SEU MÉDICO.