Você sabe qual relação entre a labirintite e a dor de cabeça?

É comum que haja dúvidas em relação a labirintite, os sintomas, tratamento, qual médico procurar e até mesmo se realmente labirintite da dor de cabeça ou não. 

Neste artigo, vamos te contar mais detalhes sobre labirintite e sobre a importância de procurar por uma clínica especializada na condição para o tratamento. Continue a leitura, comece a se cuidar hoje mesmo e descubra se labirintite da dor de cabeça realmente!

O que é labirintite? 

Labirintite é o nome popular para os transtornos do labirinto. Ou seja, uma estrutura óssea interna localizada no canal do ouvido composto pela cóclea (imprescindível para a audição), pelo vestíbulo e pelos canais semicirculares (importantes para a manutenção do equilíbrio). Problemas na região do labirinto podem gerar o que chamamos de labirintite, condição que afeta a capacidade de ouvir e gera tontura e quedas. 

Quando um indivíduo sofre de labirintite, portanto, ele pode sentir tonturas e vertigens. Elas, podem durar minutos ou até mesmo horas, que são as chamadas “crises de labirintite”.

Em relação as causas, existem várias que podem ter relação com a labirintite. Como por exemplo: infecções virais, tumores, estresse, alergia, reação a medicamentos, uso de álcool, tabagismo, doenças circulatórias e até mesmo diabetes e hipertensão, por afetarem os vasos sanguíneos. 

Na maioria dos casos, a labirintite afeta os indivíduos maiores de 40 anos. Além disso, quando ocorre em pessoas mais jovens é, geralmente, ligada a outros quadros médicos específicos. Além disso, vale citar que sedentarismo, consumo de bebidas alcoólicas, tabagismo e ansiedade também são considerados fatores de risco e podem desencadear a labirintite. 

Quais os sintomas da labirintite? 

Tonturas e vertigens são os sintomas mais comuns da labirintite. Mas, podem estar associadas a vômitos, sudorese, alterações gastrointestinais, perda ou diminuição da audição, dor de cabeça ou sensação de cabeça oca, zumbido e náuseas. 

Com a vertigem especificamente, é possível que o paciente tenha a sensação de que o ambiente está girando ao se redor . Ou que ele próprio está rodando em volta do ambiente. Já a tontura, geralmente, vem acompanhada de uma sensação de desequilíbrio e instabilidade, que pode causar quedas. 

É importante destacar que a labirintite não causa desmaios e que caso você sinta qualquer sintoma é fundamental que procure por ajuda médica. 

Qual relação entre a labirintite e a dor de cabeça: A labirintite da dor de cabeça? 

É comum a pergunta se labirintite da dor de cabeça ou não. Na realidade, a dor de cabeça ou a sensação de cabeça oca podem ser sintomas de labirintite. Vale citar, ainda, que a dor de cabeça pode acontecer devido ao excesso de tensão muscular que a labirintite pode causar. 

É importante dizer, entretanto, que a dor de cabeça pode ser um sintoma de diversas outras doenças. Por isso, é necessário investigação da causa e indicação de tratamento adequado. 

Qual relação entre a labirintite e a dor de cabeça: Qual médico trata de labirintite? 

O otorrinolaringologista é o especialista que trata a labirintite, mas é possível que o clínico geral possa identificar a condição. 

Ao perceber os sintomas, o recomendado é que se consulte com um otorrinolaringologista e não se automedique. Mesmo que o paciente tenha passado somente por uma crise passageira, os sintomas não devem ser desprezados. E a consulta com o médico especialista se faz necessária para que as causas possam ser identificadas e o melhor tratamento indicado. 

É bem importante destacar que existem complicações que a labirintite pode causar. Ou seja, o que aumenta ainda mais a relevância de procurar um médico e seguir o tratamento correto. Em casos mais graves não tratados, por exemplo, a condição pode causar vertigem intensa, que pode impedir os movimentos e aumentar o risco de trombose venosa profunda. 

Dependendo da gravidade da labirintite não tratada da forma correta ainda é possível que haja comprometimento das atividades sociais e profissionais, sensação de insegurança, pânico e depressão. Em crianças, a condição pode atrasar a fala, a escrita e ainda trazer danos a coordenação motora. 

Quais clínicas são especializadas no tratamento da labirintite? 

O diagnóstico e o tratamento de labirintite devem ser realizados em clínicas especializadas e por profissionais de confiança. Para que assim, as causas sejam identificadas e o melhor tratamento para cada caso possa ser indicado. 

Em São Paulo, a Clínica Sepam realiza a avaliação clínica e o exame neurológico, que são essenciais para o diagnóstico correto, já que outras enfermidades, como doenças imunológicas, reumatismo e esclerose múltipla, também podem apresentar sintomas semelhantes aos da labirintite. 

Além do exame neurológico, a tomografia computadorizada, a ressonância magnética e os testes labirínticos também podem ser indicados para o diagnóstico. A clínica conta com equipamentos de última geração, infraestrutura de qualidade e com uma equipe altamente especializada em Otorrinolaringologista, assim como Audiologia, Fonoterapia e Otoneurologia. 

Já o tratamento vai depender da causa da labirintite, sendo o objetivo a cura. Isto é, o alívio dos sintomas, a prevenção das crises e o controle das doenças que podem estar associadas. 

Em geral, o tratamento pode incluir atividades física, controle de estresse, manobras de reposicionamento, exercícios de reabilitação vestibular (feito por fonoaudiólogos ou fisioterapeutas). Além, disso, uso de medicamentos específicos (como vasodilatadores e labirinto-supressores) e, em casos mais complicados, cirurgias. Além disso, pode ser indicado comer de 3 em 3 horas e evitar café, mate, chocolate, refrigerante, bebidas alcoólicas, medicamentos com cafeína, cigarro, entre outros. 

É de extrema relevância dizer que a investigação da causa e o tratamento adequado é fundamental e que, com isso, a tendência é que a labirintite desapareça.  

Conheça mais sobre a SEPAM

Desde 1996, a SEPAM é especializada em otorrinolaringologia, audiologia, fonoterapia e otoneurologia, sendo todos os diagnósticos e tratamentos realizados com os mais tecnológicos e inovadores equipamentos. Além disso, é importante destacar o corpo clínico, que é formado por profissionais altamente especializados em suas áreas de atuação e prontos para cuidar de você. 

Como alguns tratamentos, terapias e exames realizados na SEPAM, podemos citar: Sinusite, Rinossinusite, Fonoterapia, Reabilitação Labiríntica, Terapia de Processamento Auditivo Central (PAC), Teste de Prótese Auditiva, Adaptação de CPAP, Polissonografia. Além disso, Rinomanometria Computadorizada, Laringoscopia, Audiometria Tonal e Vocal, Nasofibroscopia, Potenciais Evocados Auditivos de Tronco Encefálico (BERA/PEATE), Emissões Otoacústicas Transientes e por Produto de Distorção, entre outros.