A saúde reprodutiva é um direito humano e deve ser levado a sério, principalmente para quem deseja ter filhos a médio ou longo prazo. Por isso, é muito importante entender que existem alguns fatores que podem atrapalhar e prejudicar a saúde reprodutiva e adiar esse sonho. 

Visando colaborar e ajudar, o Ministério da Saúde lançou no dia 23 de julho de 2018 a Portaria nº 2.234, que estabelece a Agenda Mais Acesso, Cuidado, Informação e Respeito à Saúde da Mulher, tendo como principal objetivo a ampliação e o fortalecimento da atenção, tanto para a saúde sexual quanto para a reprodutiva, em todos os ciclos de sua vida. 

Todos esses pontos têm o poder de facilitar, ajudar e garantir a saúde reprodutiva. É muito importante que os óvulos e espermatozoides se mantenham saudáveis e com equilíbrio no seu material genético. 

Quais fatores podem prejudicar a saúde reprodutiva? 

Normalmente um casal fértil consegue engravidar em um período de 12 meses, mantendo relações sexuais frequentes e sem a utilização de métodos contraceptivos. No entanto, é preciso estar atento ao estilo de vida levado pelo paciente, uma vez que esse prazo pode ser estendido. 

Como já citamos, alguns hábitos podem influenciar e atrapalhar a saúde reprodutiva, e consequentemente, a sua fertilidade, entre eles podem citar:

Má alimentação

Manter uma alimentação onde existe o excesso de consumo de gorduras, carboidratos e açúcares pode ser extremamente prejudicial para a saúde reprodutiva, reduzindo e muito as chances de fecundação natural. Além disso, em mulheres pode ocorrer a alteração da libido, produção hormonal e ainda interferir em sua ovulação. 

Falta de atividades físicas

Além de impactar em diversos fatores, o sedentarismo e obesidade podem afetar e muito a saúde reprodutiva de um indivíduo. 

No caso dos homens, esse problema pode causar a diminuição da produção de testosterona, reduzir a libido e alterar a concentração e mobilidade dos espermatozoides. Já nas mulheres, a falta de atividades físicas pode afetar principalmente a qualidade dos óvulos e a capacidade de ele ser fecundado. 

Descuido com exames de rotina

Não manter um acompanhamento médico pode ser bastante prejudicial à saúde reprodutiva, uma vez que isso pode desencadear uma série de problemas. Por isso, ter o hábito de realizar os exames de rotina pode ser fundamental para prevenção de doenças e o diagnóstico precoce de distúrbios que interfiram de alguma forma na saúde reprodutiva. 

Estresse

Pode parecer que não, mas o estresse é um fator extremamente prejudicial para a saúde reprodutiva, principalmente quando o assunto é fertilidade. Afinal, ele está diretamente ligado à produção correta dos hormônios que auxiliam na produção e qualidade dos espermatozoides e óvulos. 

Para quem está fazendo algum tipo de tratamento de fertilização in vitro, onde o estresse fica ainda maior, é preciso manter-se controlado e tranquilo para não prejudicar o processo. Por isso, conte sempre com a ajuda de um profissional para que ele possa lhe auxiliar e garantir que tudo seja feito da melhor forma possível. 

Como cuidar da saúde reprodutiva? 

É fácil garantir e preservar a sua saúde reprodutiva, pois com atitudes simples é possível aumentar a taxa de fertilidade para que assim seja possível realizar o sonho de ter um filho. Algumas das dicas são:

  • Durma bem e com qualidade;
  • Busque fazer atividades que te relaxe;
  • Mantenha a higienização correta da região genital para evitar a proliferação de bactérias e fungos;
  • Adote hábitos saudáveis;
  • Pratique atividades físicas;
  • Consuma mais vitaminas que agem como antioxidantes e ajudam a proteger o organismo. 

É muito importante cuidar da sua saúde reprodutiva, por isso sempre procure um médico para que ele consiga te orientar da melhor forma possível e garantir que a gravidez ocorra de forma rápida e com toda a segurança e tranquilidade necessárias.