O ronco pode ocorrer por diversos fatores que vão desde hábitos como fumar, consumir álcool ou medicamentos, assim como fatores fisiológicos como desvio séptico ou patológicos como sinusite e rinite alérgica, até casos mais sérios que precisa de atenção redobrada e tratamento como a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono.

Assim é importante observar o que está ocasionando o ronco e os sintomas que o acompanha para iniciar o tratamento adequado em cada caso.

Aqui vamos explicar melhor sobre como identificar sintomas, a necessidade e os possíveis tratamentos para o ronco.

O que é o tratamento para o ronco?

Antes de entender sobre os tratamentos para o ronco, vamos entender o que é e o que desencadeia o ronco.

O ronco nada mais é que o estreitamento e interrupção parcial do fluxo respiratório nas vias aéreas superiores durante o sono. Assim o ar não flui livremente pelo nariz e garganta, e essa passagem estreita faz com que a orofaringe vibre, provocando o ruído do som conhecido como ronco que pode ser classificado em 3 níveis dependendo da intensidade e frequência.

Além de atrapalhar o sono, tanto de pacientes quanto de parceiros, esse estreitamento das vias respiratórias pode ser indício de uma doença mais grave conhecida como Apneia Obstrutiva do Sono, por isso merece bastante atenção.

Veja alguns fatores que facilitam o aparecimento do ronco ou tem o ronco como sintoma:

  • Sobrepeso e obesidade;
  • Cansaço;
  • Flacidez da musculatura da orofaringe;
  • Dormir com a barriga para cima;
  • Obstrução nasal (alergias, resfriados, rinite, sinusite etc.);
  • Desvio de septo nasal;
  • Amígdalas com tamanho anormal;
  • Aumento das adenoides (carne esponjosa);
  • Pólipos no nariz;
  • Consumo excessivo de álcool;
  • Tabagismo;
  • Medicamentos que atuam no sistema nervoso central (relaxantes, calmantes etc.);
  • Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS).

Dessa forma, o tratamento para o ronco varia de acordo com a causa e não existem remédios para tratar o ronco, mas sim procedimentos que podem ser realizados para solucionar ou amenizar as causas.

1) Principais tratamentos para ronco desencadeado por hábitos:

  • Em primeiro luar, perda de peso;
  • Em seguida, não consumir álcool e nem fumar antes de dormir;
  • Posteriormente, evitar comer alimentos pesados 3 horas antes de dormir;
  • Além disso, Evitar o consumo de medicamentos relaxantes;
  • Principalmente, Evitar a privação do sono;
  • Fortalecimento da musculatura da garganta com exercícios de fonoterapia;
  • E por fim, Preferir dormir de lado.

2) Principais tratamentos para ronco desencadeado por causas fisiológicas ou patológicas:

  • Administração de remédios para tratamento de infecções e inflamações como rinites alérgicas, sinusite etc.;
  • Tiras nasais e dilatadores nasais externos;
  • Cirurgia para correção do desvio septo nasal (septoplastia) quando gerar obstruções crônicas;
  • Cirurgia das vias aéreas superiores como adenoidectomia – em caso de crescimento excessivo da adenoide, uvulopalatofaringoplastia (UPFP) – para remoção de excesso de tecido na garganta, ou Avanço Maxilomandibular (MMA) quando as mandíbulas inferior e superior estão para frente.
  • Aparelho intraoral;
  • E por fim, Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas (Aparelho CPAP) – uma máscara nasal onde uma pressão de ar positiva mantem as vias aéreas desobstruídas quando o ronco está associado à apneia obstrutiva do sono.

Quando é necessário realizar o tratamento para ronco?

O tratamento para ronco é necessário sempre que ele ocasionar um grande incômodo na sua vida, ou seja, resultando na perda de qualidade do sono e rendimento durante o dia, e principalmente, se vier acompanhado de outros sintomas.

Mas, para isso é ideal procurar um médico para fazer a avaliação e diagnóstico para identificar o que está ocasionando o ronco e como tratar.

Na consulta, você deverá informar qual a frequência e intensidade do ronco, assim como a existência de outros sintomas como:

Sintomas diurnos

  • Em primeiro lugar, Dor de cabeça matinal;
  • Em seguida, Boca seca ao acordar;
  • Posteriormente, Acordar cansado e ter sonolência durante o dia;
  • Memória fraca;
  • Além disso, Dificuldade de concentração;
  • Irritabilidade;
  • Sintomas de depressão;
  • E por fim, Diminuição da libido ou impotência.

Sintomas noturnos

  • Ronco alto;
  • Sensação de sufocamento;
  • Paradas respiratórias e engasgos;
  • Sudorese;
  • Sono agitado;
  • Interrupção frequente no sono para urinar.

O médico poderá fazer exame físico para ver se há desvio de septo ou amígdalas inchadas, por exemplo, assim como solicitar exames de imagem como raio-x, tomografia computadorizada e ressonância magnética, dependendo do caso e necessidade, ou até mesmo o estudo do sono pelo exame de polissonografia, em casos de suspeita de apneia obstrutiva do sono, no qual são gravados e monitorados o funcionamento do cérebro, coração, respiração e oxigenação durante o sono.

É necessário ficar atento principalmente se o ronco vem acompanhado de uma combinação de alguns dos sintomas citados acima, pois você pode estar com a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono: quadro clínico no qual o paciente para de respirar por até 90 segundos algumas vezes durante o sono, levando à uma falta de oxigênio ao organismo.

Nesse caso é extremamente importante procurar um médico especialista para o tratamento pois a apneia impulsiona o organismo a lançar mais adrenalina no sangue, o que aumenta a pressão arterial e a resistência à insulina.

Assim, ela pode gerar agravamentos resultando no desenvolvimento de doenças como:

1) Hipertensão;

2) Distúrbios do colesterol;

3) Diabetes;

4) Diminuição dos níveis dos hormônios sexuais;

5) Acidente vascular cerebral (AVC);

6) Arritmia cardíaca;

7) Infarto agudo do miocárdio.

Quais médicos realizam o tratamento para ronco?

Os médicos especializados e mais indicados para o tratamento do ronco são os otorrinolaringologistas, já que a medicina do sono é uma área de atuação dessa especialidade.

Assim, são eles que vão conseguir fazer uma avaliação mais específica, examinando nariz, boca e garganta em busca de pontos de obstrução da passagem do ar, além de realizar o exame específico do sono, polissonografia, para a identificação de casos suspeitos de apneia, determinando sua gravidade, presença de outras doenças do sono, e orientando para o tratamento mais adequado.

Quais clínicas são especializadas no tratamento para ronco?

Está na hora de você conhecer a SEPAM, clínica especializada em avaliar e tratar distúrbios do sono desde 1996.

Com profissionais das áreas de otorrinolaringologia e otoneurologia, além de audiologia e fonoterapia, aqui você encontra tratamentos terapêuticos modernos e corpo clínico para realizar diagnósticos completos como em casos de distúrbios do sono, ronco e apneia, obstrução nasal, rinite e sinusite, dor de garganta, rouquidão, tosse, halitose, desequilíbrio e tontura, labirintite, zumbido, perda auditiva, entre outras patologias.

Está com problemas de ronco? Agende já sua consulta e cuide da sua saúde com a gente!

Dr Adalberto Vainchelboim
CRM 79022